Em busca de baleias pelo Oceano Pacífico

Início » América do Norte » Canadá » Em busca de baleias pelo Oceano Pacífico

Victoria, no Canadá, é conhecida pelos seus passeios de observação de baleias no seu habitat natural. Chegando a época mais propícia para os avistamentos, resolvi embarcar numa nova aventura, aguardando com expectativa a altura em que iria ver mais de perto este animal tão majestoso.

Havia mais de duas horas que andávamos do mar, sem se avistarem as tão desejadas baleias. O Oceano Pacífico fazia jus ao seu nome: tudo era calmo. Apesar do vento gelado que me batia fortemente na cara, deixando-me com os lábios secos e os olhos a lacrimejar, não queria voltar a terra sem vislumbrar pelo menos meio centímetro de baleia.

Compreendendo a desilusão que sentíamos e vendo a réstia de esperança que ainda existia naquela pequena embarcação, o marinheiro resolveu arriscar. Contra todas as ordens que tinha, passou – sem autorização – de águas canadianas para águas americanas, numa tentativa desesperada de fazer felizes as pessoas que com ele seguiam.

Respondendo aos nossos apelos e como recompensa pela coragem do marinheiro, o oceano começou a agitar-se. E no momento seguinte ali estavam elas, baleia mãe e baleia filha, timidamente a caminho do Hawaii. Eram baleias jubarte, também conhecidas como baleias-corcunda que, de tão compenetradas que estavam na sua jornada em busca de águas diferentes, vieram pouco à superfície. Apesar do seu corpo ter ficado maioritariamente submerso, ainda consegui tirar algumas fotografias, entre os vários “ah!” e “uau!” que involuntariamente exclamava.

Como se contemplar baleias não fosse suficiente, o marinheiro levou-nos ainda ao Race Rock Ecological Reserve, uma reserva ecológica da qual faz parte um farol e uma grande variedade de vida selvagem. Aí, tive o prazer de ver leões marinhos e focas, que aproveitavam, deliciados, os primeiros raios de sol quente. O inverno tinha sido rigoroso.

Regressei a terra com a sensação de missão cumprida. As baleias, essas, com certeza que chegaram felizes ao destino que procuravam. Assim como eu fiquei depois de as ter visto a cruzar ventos e marés.

Este artigo pode conter links afiliados.

 

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

2 comentários