Transiberiano comboio Irkutsk Mundo Indefinido

Quanto custa fazer o caminho-de-ferro transiberiano?

Início » Ásia » Quanto custa fazer o caminho-de-ferro transiberiano?

Uma das perguntas que me fazem, quando sabem que fiz o caminho-de-ferro transiberiano, é: quanto custa? Esta pergunta não tem uma resposta simples. O que é barato para uns pode ser caro para outros. E, como sempre digo, depende dos gostos e tempo de cada um, assim como do nível de conforto que se pretende.

Para tentar responder a esta dúvida, resolvi partilhar o que gastei nesta viagem. Andei pela Rússia, Mongólia e China durante 35 dias.

Separei os gastos por categorias: burocracias, transportes, alojamento, alimentação, e entradas em museus, monumentos e pontos de interesse. Não inclui lembranças porque é algo muito pessoal.

Para cada categoria, apresento uma tabela com o custo total. Como éramos dois, fiz a divisão para ilustrar o preço por pessoa. Mas repara que, na vida real, essa divisão nem sempre é a meio. Um quarto para duas pessoas, por exemplo, nem sempre é 50% mais caro do que um quarto para uma pessoa.

É possível fazer esta viagem de forma mais económica? Sem dúvida. Tanto que também deixo alternativas para quem tem um orçamento mais reduzido. A viagem foi feita em Agosto, em plena época alta. É possível economizar com uma simples alteração das datas. Da mesma forma, quem pretende mais conforto também irá gastar mais.

Os três país que visitei durante o transiberiano têm moedas diferentes. Na Rússia temos o rublo (рубль), na Mongólia é o tögrög (төгрөг) e na China há o renmimbi (人民幣, sendo que yuan é a unidade de medida e não o nome oficial da moeda). Os preços que apresento são em euros, e utilizei a seguinte conversão:

Câmbio entre euros e rublos: 1€ = 75₽
Câmbio entre euros e tögrög: 1€ = 3000₮
Câmbio entre euros e renmimbi: 1€ = 7¥

Quanto custa, então, fazer o caminho-de-ferro transiberiano?

Burocracias

Vistos e documentos de entrada nos países

Para além do valor dos próprios vistos, alguns país exigem documentação para a emissão do visto, que também tem custos associados. Ao pedir o visto para a Rússia, é necessário ter uma carta-convite. A maior parte dos hostels e hotéis redige e envia essa carta-convite por e-mail, a troco de uma taxa, e mesmo que não fiques lá hospedado. Usei os serviços da RealRussia, porque era o mais barato. Paguei 17€ pela carta, que apareceu no meu e-mail nem 1 minuto depois de ter feito o pagamento. O visto em si custou 65€.

No caso do visto para a Mongólia, tive de enviar o passaporte para Londres, uma vez que a Mongólia não tem representação diplomática em Portugal. Não são aceites pedidos de visto pelo correio, no entanto. Como não tinha ninguém em Londres (nem em Paris) que se pudesse deslocar à embaixada por mim, tive de contratar uma agência. Utilizei novamente os serviços da RealRussia. O visto ficou em 120€.

Já no caso do visto para a China, nenhum dos documentos envolvia um pagamento adicional. Assim, o visto custou apenas o seu preço normal: 60€.

Tem em atenção que, se não tens passaporte, é preciso contar ainda com esse custo. São 65€, que não estou a incluir nas minhas contas, porque já o tinha e foi utilizado em viagens anteriores.

Consulta do viajante, vacinas e seguro de saúde

Para esta viagem, fui à consulta do viajante no IHMT – Instituto de Higiene e Medicina Tropical, em Lisboa. A vantagem é que podemos marcar o dia que nos der mais jeito. Como a data da viagem se estava a aproximar, e precisava da consulta rapidamente, foi a melhor opção. O preço, esse, já não foi tão simpático. A consulta custou 50€.

As vacinas foram passadas pelo médico da consulta do viajante, mas foram compradas e administradas na farmácia. As vacinas em si custaram 22,08€, aos quais se acrescentaram 2€ de custos de administração das vacinas.

Para se ter o visto para a Rússia, é necessário um seguro de viagem especial, que cubra as despesas médicas no território da Rússia no montante mínimo de 30000€. Utilizei a Fidelidade (já tinha utilizado numa viagem à Rússia uns anos antes) e paguei 39,73€ por 20 dias com tudo o que a embaixada pede.

Para a Mongólia também é necessário ter um seguro aquando do pedido do visto. Aproveitámos que tínhamos de fazer para a Mongólia e fizemos também para a China, pela World Nomads. O seguro ficou em 66€ por pessoa.

Alternativas para economizar

Para os vistos, não há muitas alternativas em relação aos preços. Se tiveres algum amigo ou familiar a viver em Londres ou em Paris, os custos do visto para a Mongólia podem ficar mais baixos. Também é possível pedir o visto para a Mongólia em Moscovo, mas eu geralmente prefiro sair de Portugal com a documentação já toda em ordem.

Para a consulta do viajante, a melhor forma de economizar é utilizar o Serviço Nacional de Saúde. Foi o que fiz em viagens anteriores. O preço tipicamente não ultrapassa os 5€. Os seguros de viagem também podem ser mais baratos, dependendo da seguradora e do número de dias de viagem.

Tabela com os custos

Custo para 2 pessoasCusto por pessoa
Carta-convite para a Rússia34€17€
Visto para a Rússia130€65€
Visto para a Mongólia240€120€
Visto para a China120€60€
Consulta do viajante100€50€
Vacinas48,16€24,08€
Seguros de viagem211,46€105,73€
Custo total883,62€441,81€

Transportes

Avião

A rota que fiz começou em São Petersburgo, na Rússia, e terminou em Pequim, na China. Assim, era necessário primeiro chegar até São Petersburgo e depois regressar a Lisboa por Pequim. Os voos só de ida costumam ser mais caros do que os voos de ida e volta, por isso só por aí sabíamos que as viagens de avião não seriam as mais baratas.

No voo de Lisboa para São Petersburgo fomos pela TAP e Lufthansa, fazendo escala em Frankfurt. A viagem custou 261,39€ por pessoa.

Pagámos um valor bastante elevado pelo voo de Pequim para Lisboa. A razão é simples. Havia um voo incrivelmente barato pela Air Ukraine, que fazia escala em Kiev. Na altura, o conflito entre a Rússia e a Ucrânia, por causa da Crimeia, estava muito activo e resolvemos não arriscar. A alternativa? Ir pelo Dubai, com a Emirates. Pelo dobro do preço. A viagem ficou em 846,53€ por pessoa.

Comboios

O número de viagens de comboio vai depender das cidades a visitar durante o transiberiano. A nossa rota foi a seguinte: São Petersburgo, Moscovo, Irkutsk, Ulan-Ude, Ulaanbaatar, Pequim e Xi’an.

As viagens até Pequim foram compradas pela RealRussia, mas há outras opções para comprar os bilhetes. De Pequim para Xi’an (e regresso a Pequim), os bilhetes foram comprados pela China Highlights.

No total, foram 5 comboios, mais os dois comboios-bala dentro da China. O preço para os 5 comboios iniciais foi de 681,14€ por pessoa. A maior parte das viagens são nocturnas, e algumas demoram mais do que um dia. De Moscovo a Irkutsk foram 4 dias dentro de um comboio. Portanto, é o preço da viagem, mas também conta como alojamento.

Entre Pequim e Xi’an utilizámos comboios-bala, mais caros do que os comboios normais. O preço para a viagem de ida e volta foi de 134,64€ por pessoa.

Tivemos ainda dois custos extra. Comprámos os bilhetes com alguma antecedência pela RealRussia, mas só se consegue fazer a compra oficialmente quando começam a ver vendidos pelas empresas dos países. Na Rússia, os bilhetes começam a ser vendidos 60 dias antes da partida, e na China são 30 dias antes. Entre a ordem de compra e o prazo até à venda de bilhetes, o preço do comboio mongol aumentou. Tivemos de pagar mais 36,86€ por pessoa.

A data do comboio de Ulaanbaatar para Pequim foi alterada, também ainda antes da compra oficial dos bilhetes. No entanto, já tínhamos comprado o bilhete para Xi’an, que partia algumas horas depois de inicialmente chegarmos a Pequim. Como a chegada a Pequim mudou, a partida para Xi’an também teve de mudar. Se queríamos visitar Xi’an, a data do regresso também teria de ser alterada. A China Highlights cobrou-nos 39,99€ por pessoa pelas alterações.

Alternativas para economizar

É difícil encontrar um voo Lisboa-São Petersburgo muito mais barato do que aquele que encontrámos. Em particular se tivermos em conta que houve apenas uma escala. Claro que, com mais escalas, é possível fazer com o que preço baixe. Mas antes de seguires essa estratégia, lembra-te do seguinte: são as descolagens e aterragens que criam a maior parte das emissões de dióxido de carbono de um avião. Eu prefiro pagar um pouco mais, mas ter menos escalas.

Já para o voo Pequim-Lisboa, há opções mais baratas, mantendo apenas uma ou nenhuma escala. Aquele voo da Air Ukraine, por exemplo, não chegava a 500€.

Muitos dos comboios têm 3 classes, cada uma com um preço diferente. Em alguns ficámos na 3ª classe (carruagens com 54 camas), noutros ficámos na 2ª classe (compartimento fechado com 4 camas). No comboio entre Moscovo e Irkutsk escolhemos viajar em 2ª classe, mas podíamos perfeitamente ter ido em 3ª. A viagem seria mais barata. Noutros comboios, a opção da 3ª classe não existe. Havendo, essa será sempre a mais económica.

Xi’an foi uma cidade extra, que tipicamente não faz parte dos roteiros do transiberiano. Porém, para mim era importante conhecer os Guerreiros de Terracota. Sem Xi’an, o custo dos dois comboios-bala não teria existido.

Os custos extra, com os quais não estávamos a contar, não são possíveis de prever. Podem acontecer, mas também podem não existir. De qualquer das formas, é sempre bom ter um fundo para situações inesperadas.

Tabela com os custos

Custo para 2 pessoasCusto por pessoa
Voo Lisboa-São Petersburgo522,78€261,39€
Voo Pequim-Lisboa1693,06€846,53€
5 comboios
São Petersburgo a Pequim
1362,28€681,14€
Comboios-bala
Pequim-Xi’an-Pequim
269,28€134,64€
Mudança de preços no comboio da Mongólia73,72€36,86€
Mudança de dia nos bilhetes de ida e volta de Xi’an79,98€39,99€
Custo total4001,10€2000,55€

Deslocação nas cidades

Para me deslocar nas cidades, tipicamente ando a pé e de transportes públicos. Esta viagem não foi excepção. Apenas em Pequim foi necessário apanhar táxi, em duas ocasiões.

A primeira foi no regresso de Xi’an para Pequim, porque o comboio chegou já depois de o metro ter fechado. A segunda foi na ida e volta da Grande Muralha da China. Foram as únicas vezes em que utilizámos táxi, em toda a viagem.

Dividi os gastos por cidade, mas é importante referir que o número de dias não foi o mesmo em cada uma delas. Para além disso, em algumas cidades fomos para locais um pouco mais longe, o que obrigou a uma maior utilização dos transportes públicos. No total, a deslocação nas cidades ficou em 56,97€ por pessoa.

Estou a considerar os custos de Ulaanbaatar como sendo de 0€. Na verdade, andámos 4 dias a percorrer a Mongólia com uma agência e o preço incluía transporte, alojamento e refeições. Esse valor está descrito na categoria Entradas em museus, monumentos e pontos de interesse, mais abaixo no texto.

Alternativas para economizar

Os transportes vão sempre depender dos monumentos e locais que se quer visitar, e da sua distância ao ponto onde nos encontramos. Para mim, andar a pé é a melhor forma de se conhecer qualquer sítio. E é a forma mais económica também.

Não dando para fazer tudo a pé, aconselho sempre a utilização de transportes públicos. Para além de ser muito mais barato do que táxi ou serviços similares, consegue-se perceber melhor como as pessoas vivem e se deslocam no seu dia-a-dia.

Tabela com os custos

Custo para 2 pessoasCusto por pessoa
São Petersburgo5,49€2,74€
Moscovo10,71€5,35€
Irkutsk13,28€6,64€
Ulan Ude0€0€
Ulaanbaatar0€0€
Xi’an5,45€2,72€
Pequim79,04€39,52€
Custo total113,97€56,97€

Alojamento

No geral, dou preferência a hostels ou hotéis baratos. Não sou muito exigente: basta ter uma cama e sou feliz. Prefiro locais com bons acessos, e que sejam centrais. O dinheiro que se paga a mais pela localização, economiza-se no preço e tempo dos transportes.

Nesta viagem, houve cidades onde ficámos em camaratas. Noutras, acabámos por optar por um quarto duplo. Dividi os gastos por cidade, e adicionei o número de noites que passámos lá. O custo total do alojamento foi de 261,02€ por pessoa.

Alternativas para economizar

A escolha do hostel ou hotel tem uma influência gritante no custo final de uma viagem. Nos hostels, por exemplo, ficar em camaradas é tipicamente mais barato. Porém, em alguns locais, a diferença de preço entre duas camas numa camarata e um quarto duplo é irrisória. Faz bem as contas e verifica o que compensa mais para a tua viagem.

Os custos com dormidas podem ser reduzidos a 0€, ou muito perto disso, caso se opte por alternativas como o Couchsurfing. Eu nunca utilizei, mas conheço várias pessoas que o fizeram e recomendam.

Tabela com os custos

Custo para 2 pessoasCusto por pessoa
São Petersburgo (4 noites)120€60€
Moscovo (3 noites)134,21€67,10€
Irkutsk (3 noites)46,64€23,32€
Ulan Ude (1 noite)17€8,50€
Ulaanbaatar (2 noites)23€11,50€
Xi’an (2 noites)38,42€19,21€
Pequim (5 noites)142,79€71,39€
Custo total522,06€261,02€

Alimentação

A alimentação pode ser categorizada em compras em supermercados e despesas em restaurantes. Escolhemos alojamentos com cozinha, para que algumas refeições pudessem ser lá preparadas. No entanto, valorizo muito a gastronomia local, pelo que foi importante irmos algumas vezes a restaurantes típicos.

Adicionalmente, não dispensámos gelados em dias mais quentes e nunca dissemos que não a sobremesas. Ao longo de toda a viagem, comemos sempre 5 refeições por dia: pequeno-almoço, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, e jantar. Por vezes, o lanche da tarde transformava-se em dois.

Não passámos fome nem tivemos privações de qualquer tipo. Se nos apetecia, comprávamos. Isto fez com que tenhamos gasto 254,66€ por pessoa com alimentação. Para se ter uma ideia mais concreta, em supermercado gastámos 138,36€ por pessoa. Já em restaurantes, o valor foi 116,30€.

Alternativas para economizar

A forma mais fácil de se economizar com comida é comprar tudo em mercados e supermercados, e cozinhar as nossas próprias refeições. Aí, ter um alojamento com cozinha é essencial.

Tabela com os custos

Custo para 2 pessoasCusto por pessoa
São Petersburgo72,37€36,18€
Moscovo91,76€45,88€
Irkutsk66,49€33,25€
Ulan Ude33,52€16,76€
Ulaanbaatar47,07€23,54€
Xi’an32,47€16,23€
Pequim165,64€82,82€
Custo total509,32€254,66€

Entradas em museus, monumentos e pontos de interesse

Eu adoro museus. Sempre gostei, desde pequena. O património histórico e cultural de um país é algo que me fascina. Assim sendo, é natural que não dispense visitas a museus em todas as cidades por onde passo. É o meu calcanhar de Aquiles na hora de fazer orçamentos.

Dividi os gastos por cidade. Na Mongólia, o valor em Ulaanbaatar parece desproporcionalmente elevado. Mas existe uma explicação. Andámos 4 dias a percorrer o país com uma agência, para além dos locais que visitámos na capital. O preço da viagem organizada incluía transporte, alojamento, refeições, um motorista e uma guia. Foi uma das melhores experiências que tive em toda a viagem, e valeu cada cêntimo.

No total, gastámos 328,49€ por pessoa com museus, monumentos e pontos de interessante.

Alternativas para economizar

Se tens um orçamento limitado, escolhe muito bem que locais queres visitar. Não temos de entrar em todo o lado, nem ver todos os museus que existem. Se não tens interesse, não vás. Não é por todos os visitantes irem a determinado sítio que tu tens de ir também.

Eu fui a muitos, porque gosto genuinamente de museus e é importante para mim visitá-los. Assim, reservo sempre uma grande fatia do meu orçamento para entradas em locais do género.

Na Mongólia, (ainda) é muito difícil percorrer o país sem ser com agência. Não considero que seja impossível fazê-lo de forma independente, mas pode ser perigoso, devido ao terreno e à falta de sinalizações e iluminação. Nas agências, quanto mais pessoas forem na visita, mais barato fica. No entanto, muito dificilmente vais encontrar locais a menos de US$ 50 por dia por pessoa (com tudo incluído). Se tens menos dinheiro, opta por visitas mais curtas. Dito isto, considero importante visitar o interior da Mongólia, nem que seja apenas um dia. É de uma beleza incrível. Havendo possibilidades económicas, aproveita e fica pelo menos uma semana. Não te vais arrepender.

Tabela com os custos

Custo para 2 pessoasCusto por pessoa
São Petersburgo73,11€36,55€
Moscovo37,89€18,95€
Irkutsk25,52€12,76€
Ulan Ude0€0€
Ulaanbaatar400,86€200,43€
Xi’an67,79€33,89€
Pequim51,82€25,91€
Custo total656,99€328,49€

Contas finais

Vamos lá então fazer o cálculo total disto tudo. Em quanto ficou esta viagem de 35 dias?

Custo para 2 pessoasCusto por pessoa
Burocracias883,62€441,81€
Transportes4001,10€2000,55€
Deslocação nas cidades113,97€56,97€
Alojamento522,06€261,02€
Alimentação509,32€254,66€
Entradas em museus, monumentos e pontos de interesse656,99€328,49€
Custo total6687,06€3343,53€
Média diária total191,05€95,52€
Média diária nos locais*51,49€25,74€

*estou a fazer esta média diária sem os transportes nem as burocracias, porque esses valores foram todos pagos com alguma antecedência e de forma faseada

Com voos mais baratos, indo menos vezes a restaurantes, e não entrando em tudo o que é museu (como nós fizemos), um transiberiano de 35 dias facilmente fica em menos de 2000€ por pessoa.

Espero que este artigo te tenha ajudado a perceber um pouco dos custos que uma viagem desta dimensão acarreta. Mas não te esqueças: é possível fazer esta viagem de forma muito mais económica! E se quiseres mais conforto, o valor final também será superior.

É preciso quanto dinheiro para fazer o transiberiano de forma independente? Vem descobrir o que gastei numa viagem de 35 dias pela Rússia, Mongólia e China

Este artigo pode conter links afiliados.

Planeia a tua viagem (com ferramentas que eu própria uso)

Ao utilizares os links abaixo, não pagas mais por isso, e eu recebo uma pequena comissão. Não é muito, mas é um importante apoio, que me permite continuar a inspirar-te e a partilhar as minhas dicas de viagem.

Para reservas de alojamento, utilizo o Booking.com.

Para aluguer de carros, utilizo a Rentalcars.

Para seguro de viagem, utilizo a World Nomads.

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

4 comentários