Piparoza Vitrine Évora Portugal Mundo Indefinido

Experimentando sabores ancestrais portugueses, com um toque de modernidade

Início » Europa » Portugal » Évora » Experimentando sabores ancestrais portugueses, com um toque de modernidade

Fui a Évora a convite do grupo AccorHotels (marca Ibis), numa acção para promover a cidade de Évora enquanto destino. O programa tinha uma parte organizada e outra livre. É sobre a parte organizada de que hoje falo.

Cheguei ao Piparoza muito antes da hora marcada. As ruas de Évora ainda se encontravam com pouco movimento, e eu queria ver este boutique-bar antes que estivesse cheio. Foi uma excelente decisão. Consegui observar, calmamente, as mesas já postas. Aguardavam o momento em que seriam ocupadas por amigos a partilhar uma refeição, e todas as histórias que vêm com ela.

Assim que observei o ambiente calmo do espaço, fui percorrer algumas das ruas da cidade, enquanto esperava pela hora marcada. Com o passar dos minutos, os locais iam-se enchendo, as ruas iam ganhando vida, e Évora ia ficando cada vez mais encantadora.

Quando finalmente regressei, este restaurante de petiscos estava animado. “Podia ser sofisticado, mas não é. Podia ser moderno ou tradicional, mas não é”. Esta frases lêem-se no vidro que nos deixa antever o interior do Piparoza. O que é, então? Já faltava pouco para descobrir.

Piparoza Évora Portugal Mundo Indefinido

Indicaram-nos uma mesa no canto, junto a uma parede das antigas, cheia de personalidade. Nas outras mesas, as conversas faziam-se ouvir em bom português, mas também em língua francesa e inglesa.

A decoração era diferente de parede em parede. Umas estavam enfeitadas com as madeiras de antigas caixas de vinho, outras encontravam-se repletas de garrafas com o néctar dos deuses.

A pequena sala, essa, não daria para mais de 20 pessoas. Era neste ambiente, quase intimista, que iríamos experimentar alguns dos pratos da carta.

Interior 02 Piparoza Évora Portugal Mundo Indefinido
Interior 01 Piparoza Évora Portugal Mundo Indefinido

Após nos sentarmos, explicaram que íamos provar uma série de iguarias. Viriam vários petiscos, alguns tipicamente alentejanos, mas todos com um toque de modernidade.

O presunto ibérico não podia faltar, e foi dos primeiros a chegar à mesa. Veio acompanhado com pão, tostas, e um maravilhoso queijo assado com orégãos. O que me convenceu foi mesmo o queijo, ao qual raramente consigo resistir. Assim, derretido, deve comer-se ainda quente, e eu não o iria deixar arrefecer.

Presunto e Queijo Piparoza Évora Portugal Mundo Indefinido
Pataniscas Piparoza Évora Portugal Mundo Indefinido

Pouco tempo depois, veio o prato seguinte: tempura de vegetais. Ali estava uma interpretação dos típicos peixinhos da horta, que eu tanto gosto. Tínhamos feijão-verde, cenoura, batata doce e courgette, com dois molhos como acompanhantes.

Os pratos iam chegando, e nós não conseguíamos acompanhar a sua velocidade. Ainda mal tínhamos começado a ouvir o estaladiço da tempura, quando chegaram os ovos mexidos e as pataniscas. O queijo e a tempura continuavam a ser os meus preferidos.

Tempura de vegetais Piparoza Évora Portugal Mundo Indefinido
Ovos mexidos Piparoza Évora Portugal Mundo Indefinido

O prato principal, também em formato de petisco, não tardou em chegar. Com o azeite ainda a crepitar, ali estava um pica-pau diferente. Em vez da típica carne de porco, o atum era a estrela. Um prato muito rico, com o gosto típico do pica-pau, mas com um ligeira adaptação. Fiquei agradavelmente surpreendida.

Para terminar, a pièce de résistance de um jantar já por si só delicioso, uma sericaia (ou sericá) com ameixa de Elvas. As fatias eram generosas, e este doce tipicamente alentejano foi a forma perfeita de terminar a refeição.

Pica-pau de atum Piparoza Évora Portugal Mundo Indefinido
Sericaia Piparoza Évora Portugal Mundo Indefinido

Os pratos tinham chegado sempre de forma muito rápida, sem grande explicação. Senti falta desse toque, de um pequeno contexto para as mudanças aos sabores a que estava habituada. No entanto, a conversa entre o nosso grupo nunca parou.

Acompanhados pela boa comida que tínhamos na mesa, nem dávamos pelo tempo passar. O burburinho foi diminuindo, as pessoas terminavam as suas refeições e partiam, deixando o restaurante quase só para nós. Uma boa refeição pode tornar-se extraordinária com as conversas certas.

Guia prático

Como chegar

Cheguei a Évora de comboio, vinda de Lisboa. Foi uma das melhores opções que tomei. A viagem é muito agradável e, em hora e meia, percorri a distância entre as duas cidades. A estação de comboios de Évora fica a sul da cidade, mas uma curta caminhada nos leva até ao centro.

Pesquisar horários de comboios

Outra opção é ir de autocarro. Demora um pouco mais mas, dependendo da altura em que se compram os bilhetes, pode ficar um pouco mais em conta do que o comboio.

Pesquisar horários de autocarros

Informação útil

★ Site: Piparoza
★ Horário: Todos os dias das 12h00 às 24h00 || encerra às quintas-feiras
★ Morada:  Rua Alcarcova de baixo, nº 19, 7000-854 Évora

Horários à data de publicação deste artigo.

Alojamento

Como referi no início do artigo, a minha ida a Évora esteve enquadrada numa acção por parte do grupo AccorHotels (marca Ibis). A oferta do alojamento fazia parte desta iniciativa, e fiquei alojada no ibis Évora. O hotel está bem localizado, muito próximo do Passeio Público. Tem tudo o que se pode encontrar noutros hotéis da mesma rede. Há estacionamento livre no local, mas se não houver lugares há um parque subterrâneo pago. O pequeno-almoço pode ou não ser incluído.

Apesar de Évora não ser uma cidade grande, há mais alternativas de alojamento, por isso é só questão de procurar. De certeza que vais encontrar um espaço que seja do teu agrado!

Alojamento em Évora

Experimentando sabores ancestrais portugueses com um toque de modernidade

Este artigo pode conter links afiliados.

 

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *